Principal Categorias Vida Prêmio Visconde de Guarapuava

Prêmio Visconde de Guarapuava

9 minutos para ler
0
852
Prêmio Visconde de Guarapuava

Com seus 73 anos de idade e esbanjando vitalidade, jovialidade e muito bom humor, Abimael Paluch é o retrato do homem de sucesso que, ao longo das décadas não se deixou vencer pelas adversidades do tempo nem tampouco pelas intempéries das mudanças políticas e financeiras pelas quais passou o país.

Nascido em Imbituva, Paraná, em 1941, aos 13 anos Abimael conta que já estava costurando na alfaiataria do pai que foi seu inspirador no ofício que exerce até hoje. Anos depois, a família mudou-se para Inácio Martins e posteriormente para Guarapuava, cidade onde se estabeleceu e construiu uma história de referência em se tratando de alta costura masculina.

Em 1964, ano em que o Brasil entrava em uma ditadura militar que durou até 1985, cheio de sonhos e não levando em conta as dificuldades políticas e empresariais da época, Abimael abriu sua empresa, a Alfaiataria Paluch. O empresário conta que nunca fez parte de nenhum grupo político, mas destaca que as autoridades sempre fizeram parte de sua clientela e a todos tratou com respeito e dedicação. “Acredito que a revolução aconteceu como forma de ajustar as coisas no país. Todos os países passam por mudanças, grandes ou pequenas. Aqui na alfaiataria era um território neutro. Sempre me eximi de falar de política aqui dentro. Todos eram meus clientes e amigos e a todos eu atendia e atendo com esmero, com dedicação, como realmente tem que ser”, relata o alfaiate.

Ao contrário de muitas empresas que passam de pai para filho pela ordem de sucessão, mesmo que a pessoa não tenha prédisposição para tal ofício, Abimael deixa claro que sempre fez o que gosta e escolheu a profissão de alfaiate por amor, por vocação. “Tudo o que tenho veio da alfaiataria. Pouco tempo depois em que a loja foi montada, foi preciso contratar muitos alfaiates para dar conta das encomendas que chegavam. Nunca tivemos falta de serviço, graças a Deus”, comemora.

Como forma de incrementar suas atividades, pouco tempo depois, paralelo a alfaiataria, o empresário decidiu montar uma loja de confecções prontas, o Magazine Paluch, para atender aos homens em se tratando de camisas e gravatas e também às mulheres que passaram a frequentar a loja por encontrar lá artigos de alta qualidade em vestuários. “Esta ideia [de vender roupas prontas] deu muito certo. A pessoa vinha aqui, fazia o terno e já saía com as outras roupas das quais precisava, como camisas, meias e gravatas. Havia espaço para as mulheres comprar seus vestidos e outros vestuários também, o que tornou o movimento muito grande e foi preciso contratar mais gente para que pudéssemos atender a todos”, lembra.

O bom relacionamento do empresário com a cidade rendeu-lhe vários prêmios de destaque ao longo das décadas, o que, de acordo com ele, é sinônimo de muita alegria e contentamento.

Homenageado deste mês de abril com o Prêmio Visconde de Guarapuava concedido pela Revista Visual a personalidades de destaque da cidade, Abimael se diz muito feliz por ter sido agraciado e agradece a cidade por ter tido aqui a oportunidade que buscou. “Eu me sinto muito feliz com esta homenagem. Isto mostra que estamos no caminho certo, pois esta sempre foi nossa intenção, atender a todos com carinho e muito amor. Isto também nos enche de responsabilidades, pois temos o dever de atender cada vez melhor aos nossos clientes e amigos”, relatou.

De uns dez anos para cá, segundo pesquisas de mercado encomendadas pelas indústrias brasileiras da linha têxtil, houve um grande aumento no número de pessoas que preferem mandar fazer suas roupas sob medida ao invés de comprá-las prontas nas lojas. Sempre atualizado, Abimael contou que viu esta mudança se refletir em seus trabalhos com o aumento significativo no número de pedidos que passou a receber. Para isto, ele se atém aos cortes dos vestuários e passa os serviços de costura para alfaiates parceiros desenvolverem no sistema de facção. Assim, segundo ele, tem mais tempo para inspecionar e cobrar a qualidade dos trabalhos e também pode se dedicar mais aos serviços de cortes, pois, de acordo com ele, é através do corte de uma roupa que um profissional deixa sua marca. “Gosto de cuidar do corte dos ternos que encomendam aqui na loja. Procuro fazer os trabalhos para os clientes como se fossem para mim. Esta exigência faz com que os trabalhos saiam a contento e o cliente sempre volte a nos procurar”, afirma.

Abimael e casado com Carmem Luiza Hilgenberg, gerente de sua empresa e é pai de três filhos, Abimael Júnior, Michele e Adriano. Atualmente ele trabalha nas dependências de sua loja, a Adriano’s Calçados, na rua XV de Novembro, centro de Guarapuava.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Coisas para fazer em Guarapuava

Fevereiro mal começou e ao contrário de janeiro, está voando! Apesar da semana ter sido rá…